As personagens Elis e Bárbara vão dividir com vocês suas aventuras e desventuras rumo ao equilíbrio das contas

Morar no que é seu

Compartilhar

Essa semana li um artigo maravilhoso sobre como economizar mudando alguns hábitos. Entre eles, estava a decisão de vender a casa, aplicar o dinheiro e, com a renda, pagar aluguel.

A lógica fria dos números era perfeita: financeiramente falando, vale muito a pena. O que o valor do imóvel rende no banco compensa a transação. E com sobra.Uma excelente opção para quem, como o autor do texto, vive numa boa de aluguel. Mas, quando o assunto envolve a casa da gente, faz sentido só pensar em dinheiro?

Foi com muita felicidade que eu e meu marido quitamos o nosso lar, em 2015. Fizemos um financiamento para tanto em 2010, até que foi rápido. Pagamos juros altos: 8,66% ao ano. E isso porque conseguimos uma linha específica com uma taxa abaixo do padrão do banco, que no caso foi a Caixa Econômica Federal, principal referência, no Brasil, no segmento.

Se pensamos em vender, colocar o dinheiro do banco e viver de aluguel? Jamais! E olhe que a valorização já foi de quase 100% em relação ao valor que nós pagamos pela casa. O que está em jogo é a pura e simples sensação de morar no que é nosso. Mudar, mexer, reformar, fazer do nosso jeito, saber que podemos ficar lá pelo tempo que quisermos, sem estarmos condicionados a um contrato temporário que pode vencer pouco depois. Para mim, isso é importante. E para muita gente também.

A quem, como eu, também ama morar naquilo que é seu, deixo a dica de se esforçar para quitar o financiamento o quanto antes, escapando dos juros altos. Vale usar o décimo terceiro salário, a restituição do imposto de renda, o dinheiro daquele trabalho extra que você fez no mês passado. Mas vamos tentar resolver a pendência no menor tempo possível.

Depois, é ser feliz e construir uma vida na casa ou apartamento que você escolheu.

Beijos,

Bárbara

Para ler o artigo que inspirou esse texto, só clicar aqui. 

Comentários  

 
0 #3 Evanilda Rocha 26-09-2016 20:14
Olá Luiza, concordo totalmente com o que disse o Gustavo Cerbasi. Que bom que você teve oportunidade de assistir ao vídeo daquele consultor. Ele é "fera", isto é, ótimo". Parabéns para você" Votos de muita prosperidade para você!
Abraços.
Citar
 
 
0 #2 Isabela Pereira Barr 20-09-2016 18:44
Oi Luiza!

Muito interessante!

Beijos,

Isabela
Citar
 
 
+1 #1 Luiza 20-09-2016 13:21
Oi, Bárbara! Eu estava pensando igual você: pegar todo dinheiro que aparecer e quitar logo o financiamento.. . Mas aí, vi um vídeo do Gustavo Cerbasi dizendo que a taxa Selic (14% ao ano) está alta e para quem tem financiamento até 11% ao ano não valeria a pena amortizar aos poucos. O melhor seria guardar o dinheiro, deixar rendendo no Tesouro Selic e só depois quitar tudo de uma só vez... É o que estou fazendo. O duro é controlar a ansiedade de pagar logo o quanto der... Abraços
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Faça uma simulação para juntar seu primeiro milhão ou quanto suas economias irão render.
Poupadoras.com
Um site de finanças pessoais
para dividir experiências
sobre o dinheiro
  • Assine nosso feed