Gente que a gente admira divide conosco pequenas lições sobre o uso do dinheiro.

TROCO

'Só maluco queima dinheiro'

Minha relação com o dinheiro é bastante conflituosa. Meus pais não eram poupadores, mas gastadores. Eu não tive uma educação de economizar antes de gastar. Pelo contrário: meus pais sempre defenderam a ideia de viver a vida com intensidade. Na visão deles, consumir produtos e serviços fazia parte desta forma de viver. Com o passar do tempo, muitos juros pagos erradamente aos bancos e muitos produtos comprados por impulso, comecei a mudar a forma com a qual me relaciono com o dinheiro.

Venho aprendendo que precisamos ter metas clara de vida, almejar coisas ou situações de maneira a dar uma razão a poupar. Caso contrário iremos gastar. E sempre por uma boa razão. Só maluco queima dinheiro. Também aprendi que ter metas não adianta se você não planeja a sua vida financeira. E que o planejamento não resolve nada se você não tiver a rotina de controlar o que gasta e comparar posteriormente com quanto imaginou que gastaria. É nessa hora que aprendi que menos é mais. É preferível controlar apenas as despesas pesadas e deixar as demais de lado que querer escrever tudo e, poucos dias após, largar o hábito.

Roberto Kanter é consultor da GC5 Soluções Corporativas e professor da Fundação Getúlio Vargas

'Não basta amar o que faz e acreditar nos seus sonhos'

Nasci numa família abastada e até boa parte da vida adulta não tive dificuldades financeiras, aliás, muito pelo contrário. Entretanto, como nada é imutável na vida, uma série de eventos me colocou em uma situação financeira muito difícil e foi exatamente nessa época que construí os melhores valores sobre administração do meu dinheiro.

Foi após essa difícil experiência que consegui construir uma empresa de sucesso com crescimento sustentável e levo comigo esses ensinamentos, tanto na administração da empresa quanto nas finanças pessoais. Esses ensinamentos, divido em cinco pontos fundamentais para dividir com vocês.

1. Realize um planejamento estratégico
Antes de qualquer atitude que envolva dinheiro e para definir sua estratégia, reflita sobre os projetos, objetivos, responsabilidades e os prazos de execução.

2. Faça um controle periódico
Acompanhe rendimentos, seu fluxo de caixa e se o planejamento estratégico definido está sendo, de fato, cumprido.

3. Evite gastos desnecessários
Ao fazer qualquer gasto acima da média, sempre me pergunto qual o benefício daquele produto, serviço ou investimento e reflito se realmente ele fará a diferença em minha empresa ou em minha vida pessoal.

4. Pagamentos à vista
Pagar à vista quando tiver desconto sempre é vantajoso, pois evidentemente você adquire o mesmo produto com um preço inferior.

5. Programe o futuro analisando o panorama presente
O crescimento pessoal assim como o crescimento de uma empresa saudável está ligado ao direcionamento e a programação de passos futuros. Esse direcionamento deve sempre ser calculado a partir de suas possibilidades e do panorama externo. Para isso saiba tudo o que está acontecendo ao redor, ou seja, estude, estude muito, pois isso ajudará a resolver problemas criticamente.

O que quero finalmente dizer é que não basta amar o que faz e acreditar em seus sonhos. Estude muito, trabalhe muito, descubra as histórias de quem deu certo e de quem deu errado. Se prepare para a jornada empreendedora, que é muito mais difícil do que dizem os "empreendedores de palco".


Gladys Mariotto é empreendedora, fundadora e CEO da Startup de Inteligência Educacional Já Entendi. Autora de 41 livros, recebeu mais de 30 prêmios de empreendedorismo, arte e inovação.

'Trato o dinheiro como consequência das oportunidades'

Sempre tratei o dinheiro como consequência das oportunidades que enxerguei e aproveitei na vida. Por isso mesmo, nunca deixei que a percepção de "nossa, nunca vou fazer isso, pois não tenho dinheiro" dominasse as minhas decisões. Na verdade, sempre lidei com a lógica "o que eu quero para mim, quanto isso custa, seja em dinheiro ou esforço, o que estou fazendo hoje para tornar isso possível, mão na massa”.

Se você tem uma meta, seja ela a curto, médio ou longo prazo, o importante é que quando você levantar da sua cama para fazer algo, que você reflita: "O que eu vou fazer hoje contribui para que eu atinja essa meta?". Se você não está fazendo nada, é melhor repensar as suas atitudes. Se você já está fazendo algo, comece a pensar o que mais pode fazer para acelerar o processo. Ter metas a curto prazo te motivam a querer mais e mais e isso não nos deixa desmotivar para atingir as metas e realizações a longo prazo.

Para ter uma vida financeira tranquila, é importante conhecer o mercado financeiro, como funciona, o que muda nas regras e, ao mesmo tempo, ficar antenado ao que está mudando no mundo: milhas, cashback, bitcoins, etc. Talvez nesse conhecimento esteja o seu gatilho para atingir uma meta ou, até mesmo, um sonho. :)

Felipe Schepers é co-fundador e COO do Opinion Box, empresa de soluções digitais para pesquisa de mercado

 

Foto: Laura Fonseca

'Gosto muito de ganhar dinheiro'

Apesar de não considerar isso a coisa mais importante na minha vida, gosto muito de ganhar dinheiro. Com ele posso a ajudar as pessoas e realizar os meus sonhos.

Para mim, independentemente das condições financeiras e da renda mensal, é muito importante dividir o dinheiro da seguinte forma:

1) Pagar as contas. É importante controlar as despesas e manter um estilo de vida condizente com a renda para estar tranquilo com as obrigações e evitar desgastes emocionais;

2) Fazer doações a pessoas ou entidades que realmente precisem de ajuda. Além do sentimento de que fiz algo pelos outros, isso me faz sentir merecedora de ganhar mais dinheiro;

3) Desfrutar. Preciso ter momentos de descontração e felicidade, saber que posso realizar sonhos. Assim me mantenho motivada na conquista dos meus objetivos;

4) Poupar. É preciso guardar uma parcela da renda mensalmente para poder conquistar uma liberdade financeira futura e também aproveitar as boas oportunidades quando elas aparecerem;

5) Investir. É importante reservar uma parcela da renda para investir em novas qualificações, foi assim que conquistei meu sucesso profissional e me senti preparada na hora de decidir enfrentar novos desafios.

Daniela Marchini é franqueada do CERS Centro de Estudos

Sobre saúde financeira e felicidade

O dinheiro já teve um papel de mais destaque na minha vida. Hoje em dia a minha preocupação maior está em ser e não em ter coisas. Usar o dinheiro conscientemente, poupar, pensar no futuro e comprar o que é realmente necessário fazem partem da minha rotina.

O que aprendi de mais importante (e a duras penas) sobre dinheiro foi colocá-lo no lugar dele e dizer quem é o dono quem. É muito bom ter recursos suficientes para garantir o sustento da família, proporcionar qualidade de vida, lazer, educação. Mas a qualquer deslize, a qualquer mau uso, o dinheiro se enche de forças e toma conta de sua vida. Você se endivida, perde o sono e acaba com toda a sua tranquilidade. Por isso é importante manter uma relação saudável com ele.

Eu sei que não é fácil resisitir às tentações de consumo, mas vale a pena se esforçar, se educar financeiramente. Gosto sim de desfrutar do dinheiro, mas sempre eu no comando e ele me obedecendo, e não o contrário.

Acho que o primeiro passo que alguém que está com dificuldades financeiras deve tomar é assumir o problema, ter consciência da sua situação.

Depois, é fazer um planejamento para sair das dívidas, reformular a rotina e os hábitos de consumo. Vai ser fácil? Não, mas recuperar sua saúde financeira vai influenciar diretamente na sua felicidade.

Iara Carrato Bersaneti é fundadora do blog Ganhando Menos, sobre a importância da educação financeira na vida e na felicidade das pessoas

Faça uma simulação para juntar seu primeiro milhão ou quanto suas economias irão render.
Poupadoras.com
Um site de finanças pessoais
para dividir experiências
sobre o dinheiro
  • Assine nosso feed