Gente que a gente admira divide conosco pequenas lições sobre o uso do dinheiro.

TROCO

'As pessoas são movidas por status'

A vida empresarial me ensinou a ser mais controlado com as finanças. Só me permito gastar um pouco além da conta aos finais de semana ou numa viagem de férias.

Na Brava Investimentos, onde tive a minha primeira experiência como empreendedor, aprendi com erros que me custaram caro, muito caro! Custo é a única coisa que se controla, portanto atenção redobrada a esse ponto!

As pessoas são movidas por status, como, por exemplo, ter na empresa um sofá de couro ou diversas TV’s. Mas o importante mesmo é ter um atendimento adequado ao cliente, que tem que se sentir especial.

Mesmo quando está sobrando dinheiro, você deve planejar o momento certo para usá-lo. Assim, o seu caixa sempre estará equilibrado, sem surpresas de última hora. Como se costuma dizer no mercado, “custo é igual a unha: cresce e corta!”.

Rodrigo Albuquerque é sócio diretor da Petland, rede de franquias de pet shop

 

Momento difícil virou incentivo para empreender

Nasci no Líbano e perdi meu pai quando tinha 19 anos. Isso provocou uma reviravolta na minha vida porque, além de não tê-lo mais comigo, de repente tive de começar a ajudar com as despesas da casa. Estudava Engenharia das 8h às 17h e passei a trabalhar como garçom das 18h às 2h da madrugada. Ganhava muito mal. Mesmo cortando todas as despesas possíveis, minhas contas ainda não fechavam. Mas, apesar de todo o cansaço, esse foi um dos momentos mais importantes da vida. Ele me incentivou a empreender para ter uma fonte de renda melhor. Tanto que, com 20 anos, levantei dinheiro com meus amigos para abrir um bar e restaurante.

Essas experiências anteriores, incluindo toda a expertise que adquiri em elaboração de planos financeiros e modelos de negócios, me ensinaram que fazer o planejamento das finanças pessoais é essencial. O planejamento financeiro de uma empresa não é tão diferente do planejamento financeiro de uma casa. Em ambos, é preciso definir a fonte de renda, anotar os gastos previstos e ter controle sobre o dinheiro que entra e o dinheiro que sai para alcançar seus objetivos.

Desde que fundei a Mandaê com meu sócio Marcelo Fujimoto, em abril do ano passado, tenho colocado todos esses ensinamentos em prática. Nossa startup tem me mostrado que, mais do que montar um planejamento financeiro, é preciso encontrar maneiras de otimizá-lo para atingir os resultados desejados. Para isso, é fundamental separar completamente as finanças pessoais das finanças da empresa. No início do negócio, fizemos questão de abrir uma conta bancária exclusiva para a Mandaê para que pudéssemos monitorar e controlar os gastos com maior segurança. Mesmo uma pequena confusão envolvendo dinheiro pode levar ao fracasso de uma empresa recém-aberta. Não queríamos que isso acontecesse com a Mandaê.

Depois de todos esses anos, meu principal conselho para as pessoas é que elas evitem usar crédito e pedir empréstimos. Façam um planejamento de suas finanças pessoais para descobrir despesas que podem ser cortadas e ter mais disciplina para controlar os gastos. Com todas as ferramentas disponíveis na internet atualmente, vocês também podem buscar outras formas de ganhar dinheiro e incrementar a renda no final do mês.

Karim Hardane é sócio fundador da Mandaê, startup que retira, empacota e facilita entrega de encomendas para todos os tipos de clientes

'Nasci com pouco dinheiro, mas com muitos sonhos'

Sou filho de pai ferroviário e mãe autônoma, nascido em Casa Branca, interior de São Paulo. Nasci com pouco dinheiro, mas com muitos sonhos, e o primeiro deles realizado aos 12 anos de idade: uma bicicleta. Acreditem ou não, foi a partir dessa experiência que descobri a fórmula para ajudar milhões de pessoas a se educarem financeiramente, anos mais tarde.

Minha família era pobre, mas sempre me ensinou a valorizar muito as coisas que nós tínhamos. Por isso, para realizar meu desejo de ter a bicicleta, fui procurar um emprego, com o qual eu conseguisse o dinheiro necessário para comprá-la. Arranjei como auxiliar de camelô, cargo que me rendia 15 reais por mês, dos quais eu poupava 10.

Parece muito óbvio ter que guardar dinheiro para realizar algum desejo ou ainda gastar menos do que ganha para conseguir poupar. Na teoria, todos que aprenderam as operações matemáticas conseguem entender esses pensamentos, o problema é colocar em prática. E a "estratégia" que adotei aos meus 12 anos para comprar o que eu tanto queria se tornou a base daquilo que viria a ser toda a minha obra, a Metodologia DSOP, que consiste em quatro pilares: Diagnosticar, Sonhar, Orçar e Poupar.

Para explicar rapidamente, Diagnosticar é anotar, durante 30 dias, cada gasto, separando por categoria, por exemplo: alimentação, transporte, vestuário, educação, guloseimas, etc., para saber onde está havendo desperdício. Sonhar consiste em estabelecer desejos que quer realizar ao longo da vida: de curto (até um ano), médio (de um a dez anos) e longo prazo (acima de dez anos), sabendo quanto cada um custa e quando poderá reservar mensalmente para cada um.

No pilar Orçar, proponho uma nova maneira de realizar a conta do Orçamento Financeiro Mensal. Em vez de fazer Ganhos (-) Gastos = Lucro/Prejuízo, deve-se fazer Ganhos (-) Sonhos (-) Gastos, para garantir mais realizações e menos dívidas inconscientes. E por último, claro, Poupar. Com as finanças em ordem e ciência total delas, é só começar a guardar o dinheiro, investindo em aplicações que sejam as melhores de acordo com o prazo em que se quer realizar (nem sempre a que tem melhor rendimento é a mais indicada!).

Foi então em 2007 que lancei meu primeiro livro, "Terapia Financeira", contendo todo esse conhecimento que adquiri ao longo de minha vida pessoal e profissional. A partir daí, surgiu a DSOP Educação Financeira, que hoje já está presente em mais de 1.500 escolas em todo o país, por meio de um programa completo, desde o Ensino Infantil ao Médio, além de ter se tornado uma empresa referência em cursos de educação financeira, inclusive com pós-graduação reconhecida pelo MEC.

Paralelamente a tudo isso, criei a Editora DSOP, com centenas de livros publicados entre didáticos, paradidáticos, educação financeira, desenvolvimento pessoal e literatura, e a Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), para regulamentar a profissão de educador financeiro e, assim, disseminar ainda mais a educação financeira pelo Brasil e pelo mundo, porque, afinal de contas, essa é a minha missão de vida, e sempre será!


Reinaldo Domingos é educador financeiro, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira e autor do best-seller Terapia Financeira, dos livros Sabedoria Financeira e Mesada não é só dinheiro, além da primeira Coleção Didática de Educação Financeira do Brasil.

 

Ricardo Marcondes, da Tip Top: planejamento para controlar o dinheiro

Minha relação com o dinheiro é de muito respeito. Aprendi ao longo dos anos que planejamento e foco para cumprir seus objetivos, sejam eles profissionais ou pessoais, ajudam a se manter saudável do ponto de vista financeiro.

O dinheiro deve ser o reflexo de muito trabalho e dedicação. Por isso, saber administrá-lo de forma consistente, segura e com responsabilidade, é a melhor forma de conseguir viver tranquilo em relação a esse ponto.

Acho que todos, em algum momento, já passaram ou passarão por dificuldades sejam elas por quaisquer motivos, como uma demissão, excesso de gastos sem controle, alguma eventualidade, enfim. O importante é manter a mente focada no problema e estudar todas as alternativas possíveis para, pelo menos, minimizar os impactos do ocorrido. É importante renegociar dívidas, cortas gastos desnecessários, adiar a compra de itens que não sejam de primeira necessidade, verificar possibilidades de empréstimos a custos menores do que outras fontes de recursos mais caras, criar um planejamento financeiro para este momento de crise.

Passada a tempestade, que a experiência sirva de base para uma reorganização ainda maior, com planejamento para controlar o dinheiro e não ser controlado por ele!


Ricardo Marcondes é gerente de expansão da rede de lojas de roupas infantis Tip Top

'Esteja preparado para abraçar as oportunidades'

A minha relação com o dinheiro é de cautela: procuro diversificar os investimentos entre curto e longo prazo e em ativos mais conservadores.

Ao longo do tempo, aprendi que o dinheiro não compra as coisas mais importantes da vida.

A quem deseja se organizar financeiramente, diria que não deixe de investir. Pesquise uma área que seja de seu interesse em que lhe dê satisfação, invista em conhecimentos e cursos e esteja preparado para abraçar as oportunidades que aparecerão.

Milton Bueno é diretor de Marketing da rede de lojas Alô Bebê 

Faça uma simulação para juntar seu primeiro milhão ou quanto suas economias irão render.
Poupadoras.com
Um site de finanças pessoais
para dividir experiências
sobre o dinheiro
  • Assine nosso feed