Esse espaço é seu. Mande para nós as suas histórias, lições, aprendizados, causos relacionados ao uso do dinheiro. Serão publicadas, com todo o carinho, aqui.

DUAS MOEDAS DE PROSA

As prioridades mais bem vividas

Está precisando cortar despesas? Super poupadora que é, nossa amiga e leitora Cíntia Marcucci conta o que tem feito nesse campo. Além de fazer uma bela negociação para baixar o valor do seu plano de celular, ela dá as dicas a seguir:

O que ando fazendo para economizar

Quero cancelar a TV a cabo, mas no meu caso tenho um problema do prédio não ter antena de TV coletiva: os técnicos dizem que as antenas vendidas podem não pegar corretamente o sinal. Mas você, colega, se tá male-male vendo a novela, que dirá o resto, vai no seu zelador e veja se tem antena coletiva para se livrar dessa conta!

Eu também cancelei a natação. Amo nadar, entrar na água me faz um bem físico e mental, mas a mensalidade estava muito cara e eu acabava faltando demais às aulas. Tem piscina no meu prédio, mas sem aquecimento. No verão vou descer de maiô, óculos e touca e nadar lindona lá. Quando o frio ficar maior do que eu posso aguentar, vou caminhar pelo bairro e até usar a (argh!) esteira e a (ugh!) bicicleta ergométrica. Já pago por isso mesmo no condomínio, né? Façamos um esforço, por mais que eu deteste.

Veja se você pode diminuir as tarifas pagas aos bancos com pacotes de serviços menores. E também eliminando aquelas contas extras do tipo seguro de vida. Às vezes você tem dois ou três embutidos em outras aplicações como previdência privada e tal. Precisamos mesmo disso tudo?

Suas compras no mercado e na feira: olhe bem o que você tem em casa antes de sair, leve listas, tente não sucumbir (demais, um pouco pode) às compras por impulso. Veja o que estragou na sua geladeira, não recompre ou compre em menor quantidade.

Sua vida vai ficar chata? Não. Vai ficar um pouco mais controlada e organizada. Com o dinheiro que você economizar, pode até gastar nos seus luxos pessoais. No meu caso, comida e bebida boas e viagens! Prefiro mil vezes isso a uma TV que não vejo, um celular mal usado, roupas das quais não preciso. Viva o menor desperdício e as prioridades mais bem vividas!

Cíntia Marcucci é jornalista e autora do blog Quem tem boca vai. Além disso, está acostumada a ser chamada para dar conselhos de organização financeira para os amigos. 

 

As resoluções de ano novo

Já estamos em fevereiro, acabou o Carnaval e aquela lista de promessas para 2016 está esquecida ou ainda nem foi posta em prática: economizar, começar a dieta, perder peso. Mas, afinal, por que é tão difícil mudar?

Você se esforça, coloca o despertador para duas horas mais cedo, compra aquela roupa para a academia, mas aí aparece a sua avó em casa e quer cozinhar, os colegas chamam para um happy hour, aquela loja virtual está com 60% de desconto e frete grátis e, para piorar, abriu um outlet no caminho para o trabalho. São muitas as tentações e acabamos caindo em várias delas, nos sentindo culpados.

É a eterna disputa entre um ganho momentâneo que dá prazer imediato e um outro que vem depois e traz um ganho diferente no futuro. O duelo entre a vontade e o desejo. Aqui vamos chamar de desejo um quase sinônimo de sonho: quero me formar e ser um grande profissional, desejo economizar para poder financiar uma casa e assim por diante. Já vontade é aquela manifestação com resposta mais rápida, como aquele bolo maravilhoso da sua confeitaria preferida, o choppinho gelado com a galera. A vontade é guiada pela emoção enquanto o desejo é conduzido pela razão, pelo que a pessoa acha melhor para si.

Para piorar, estudos recentes descobriram que resiliência e força de vontade são finitas, ou seja, você acaba acordando atrasado, pega trânsito pesado para chegar ao trabalho, sua apresentação não abre, ouve reclamação do chefe, não consegue comer direito, tem que ligar para fornecedores e etc. Depois disso tudo, quem tem pique para comer saladinha e tomar suco verde?

Quando tiver uma meta, seja realista: não adianta escrever perder peso, estabelecer um valor é importante. Por isso, anote emagrecer oito quilos em seis meses, por exemplo. É interessante também criar metas intermediárias, com recompensas para cada etapa vencida.

Outra dica boa é se organizar para ter, por exemplo, algum fundo cujo valor a ser economizado seja retido na fonte, sem contar com esse dinheiro para as despesas cotidianas. Assim você aprende a viver com menos e consegue poupar. Se quiser perder peso de verdade, evite as tentações não fazendo compras de guloseimas no supermercado e preparando o seu próprio lanche. Assim vai melhorar hábitos e diminuir tentações.

Para finalizar, se pensarmos que autocontrole é uma moeda finita, podemos tentar não gastá-la toda durante o dia. É interessante conseguir dar uma pausa. nem que seja um almoço com o celular desligado. Para muita gente, o esporte é uma forma de extravasar. Assim, podemos ter mais qualidade de vida e diminuir as pequenas e as grandes frustrações diárias.

Sandro Massaru Ueki é psicólogo clínico e da educação

A empreendedora das borboletas

Tudo começou quando uma amiguinha da escola viu o desenho no caderno dela e perguntou: "Você faz essa borboleta para vender, Nicoli?". E ela respondeu: "faço, de que cor você quer?".

Assim, de supetão, a minha menina virou uma empreendedora. E começou a receber encomendas de borboletas de papel. Só descobrimos quando vimos que o cofrinho com as economias dela estava cheio, com R$ 16. Como não demos dinheiro para ela recentemente, perguntamos e descobrimos a origem daquela fartura toda.

Tenho muito orgulho ao ver a minha filha assim, tão resolvida e esperta. Uma empreendedora capaz de entregar o produto do jeito que o cliente quer, com a cor escolhida e o nome da pessoa escrito. Estimulamos esse espírito nela, que agora vende as suas criações também para os parentes e amigos.

E com direito até a uma certa sensibilidade para o atual momento da economia: na semana passada, ela me disse que, "com a crise", estava pensando em baixar o preço do desenho para "cinquenta centavos". Não tenho a menor dúvida de que ela vai longe!

Sander Ferreira do Nascimento é cinegrafista e pai da Nicoli, de sete anos

Aprendi com a minha mãe: faça você mesma

Meu lado poupadora é resultado da educação que tive. Cresci com dois opostos em casa, meu pai e minha mãe, tendo escolhido o exemplo dela, uma poupadora master.

Minha mãe é muito criativa para economizar dinheiro! Ela sempre fez muita coisa com as próprias mãos, usufruindo das suas habilidades em vez de pagar por determinados produtos ou serviços.

Quando eu estudava em uma escola particular, muito cara para a época, não sobrava dinheiro para nada. Assim, na hora de comprar uniformes, minha mãe, muito esperta, comprava camiseta polo branca e pintava perfeitamente o símbolo do colégio. Ficava idêntica!

Certa vez, faltou dinheiro para comprar cartolina e montar um trabalho escolar com o tema "pátria". Assim, ela criou um livro em forma de sanfona com o resto de cartolina que tínhamos em casa e ficou mais bonito do que o trabalho de todas as outras crianças! Isso me fez ver que é possível usar a criatividade para driblar a falta de grana.

Hoje uso essas experiências para tudo. Como no chá de bebê e na festa de 1 ano do meu filho, Miguel. Fiz tudo o que pude manualmente, economizando bastante! Minha mãe, claro, ajudou muito. E ainda foi uma espécie de terapia para mim, tenho muito prazer em lidar com essas coisas, em fazer trabalhos manuais.

Com esse meu lado de poupadora, acabo descobrindo que sou capaz de fazer muitas outras coisas. Já pintei meu apartamento, pintava o cabelo da minha mãe e ela o meu, faço minha unha e sei me depilar (mesmo que tenha demorado para aprender).

Sempre poupei muito e isso desde que saí do interior para morar em São Paulo, quando consegui o meu primeiro emprego. Agora quero comprar a minha casa, uma motivação que só ficou mais forte com o nascimento do meu pequeno. Sem dúvida um reforço lindo à minha jornada de poupadora.

Vanessa Zeineddine é arquiteta

Livre-se das dívidas

Em todas as áreas de atuação a preocupação é sempre a mesma: “será que meu salário conseguirá chegar até o final do mês? Conseguirei pagar todas as minhas contas?". Ou ainda: “tenho que me organizar mais porque devo estar gastando muito, afinal, não está nem no final do mês e o salário já acabou!”

Mas, você já ouviu falar que, quanto mais se ganha, mais se gasta?

Isso é a mais pura verdade. Faça uma análise com você mesmo. Se hoje você tivesse um aumento no seu salário, o que você provavelmente faria? Asseguro que muitos já pensariam: “ah, agora consigo trocar meu carro por um mais novo!” . Ou ainda: “quem sabe agora não troco meu celular por um modelo mais novo e ultra avançado“. Você mesmo arrumaria justificativas convincentes para gastar mais.

Poucos realmente pensariam: “agora começo a juntar dinheiro para minha aposentadoria!”. Somente alguns priorizariam realizar o controle do orçamento para analisar seus gastos descobrindo a origem de suas dívidas.

Reflitamos: não há como arrumar a casa sem antes organizar tudo o que está fora do lugar, correto? Na organização das finanças pessoais ocorre o mesmo. Você não tem como fazer contas de cabeça para tentar descobrir onde está errando todos os meses e gastando além da conta.

É preciso registrar tudo em uma planilha e reduzir aquelas despesas que estão fora do normal, mas como analisar isso?

Há alguns anos atuo analisando despesas e receitas de pessoas físicas e posso dizer que mais de 99% dos meus clientes não sabia de fato o quanto gastava todo mês. Por isso, reuni tudo o que vivenciei com meus alunos sobre o assunto em um e-book: Livre-se das Dívidas e Realize seus Sonhos. No livro, também há dicas para economizar todos os dias.

Acredite que realmente é possível economizar no mínimo 30% das suas despesas mensais e organizar suas finanças.

E você, como anda sua saúde financeira?

Cristiane Gouget é autora do blog de finanças pessoais Guarde Dinheiro e do e-book Livre-se das Dívidas e Realize seus Sonhos

Faça uma simulação para juntar seu primeiro milhão ou quanto suas economias irão render.
Poupadoras.com
Um site de finanças pessoais
para dividir experiências
sobre o dinheiro
  • Assine nosso feed